As jornadas de junho e o impeachment

Entre as jornadas e o impeachment.

Que vivemos num momento conturbado da política nacional não temos dúvida, mas olhar para esse processo de forma cristalina é o grande desafio de todos aqueles que se debruçam sobre o atual momento da vida política nacional. A pergunta que temos que fazer é a seguinte: como a direita brasileira chegou a esse cenário tão propício a ela,onde seus ideólogos propagam suas ideias e encontram ressonância no meio social? Não podemos pensar o atual momento, sem pensar as consequências das tão faladas jornadas de junho de 2013 que se inicia com a pauta da passagem do transporte publico e descamba para uma difusa defesa de varias pautas que até se contradiziam nos atos e rapidamente os veículos de comunicação de massa deu o tom para tais atos, mas só fez isso por que a massa que ali se encontrava guardava em sim tais valores como a negação do partido político, a defesa da pátria, o combate a corrupção de forma genérica é clara. Esse momento chamo de caixa de Pandora, onde de acordo com mitologia grega é responsável por soltar os vários sentimentos que causam dor a humanidade. Os fatos que surgem a partir desse processo foi um crescente aumento de ideias que andavam escondidas que se fez ressurgir as crenças da direita brasileira, mas também surgem certas ilusões no meio da esquerda que olham para isso e acham que esse processo abre uma fissura no processo de luta de classe favorável a luta dos trabalhadores, mas enxergam de forma míope tal processo já que os trabalhadores passam longe de tal fato, sendo o mesmo controlado por setores da classe média e que pensam como classe média. O 2014 como consequência desse processo, vimos que no campo institucional fora eleita um congresso mais a direita do que já existia e que dificultaria mais ainda a governança petista que tinha sua base de apoio justamente nesse campo que de forma rápida percebe que o petismo está fragilizado e entre muitos fatores está o fato da crise mundial cair em seu colo e também pela incapacidade petista de dialogar com os trabalhadores. A rede de comunicação que funciona como partido de forma rápida vai construindo uma sensação de instabilidade política e de vácuo de poder e que era preciso agir rápido tirando a atual governante do executivo do tabuleiro para colocar alguém de sua confiança política,pois é bom lembrar que a burguesia só que afastar a crise deles e que o povo pague com reformas no campo do trabalho e dos direitos sociais, já que é ai que mora sua lucratividade. Com esse quadro o golpe institucional estava armado e pronto para ser efetuado e com hora marcada. E para espanto de alguns ou não, aquilo que chamo de petismo ressentido (os que saíram do PT) embarcaram na defesa do impeachment como forma de atacar o petismo não levando em consideração o atual estagio do avanço da direita brasileira no meio social. É importante saber entender o que seja mais importante para classe trabalhadora; agir a partir do ressentimento ou dos interesses da classe trabalhadora. Atualmente a caixa de Pandora de 2013 está produzindo mais retrocesso para a classe do que avanços e que nesse momento tende a ficar mais difícil com o atual governo que de fato é ilegítimo. A operação anti corrupção desencadeada a partir de Curitiba tinha um objetivo claro e sem sombra de dúvida não era combater a corrupção,mas sim criar o álibi desse processo que não podemos chamar de outro nome a não ser: Golpe.

Deixe uma resposta